sexta-feira, 30 de julho de 2010

ROMMEL WERNECK: SONETOS GÓTICOS II




DEMÔNIO ANGELICAL

Ah! Demônio sangrento atormentado!
Por ti, minha vil mente só suspira!
Meu corpo intensamente cai e transpira
Ah! Demônio sangrento atormentado!

Nos negros olhos: cor viva do tédio
As vestes lutuosas, pretas, góticas...
Curvas no corpo tão belas e eróticas...
Nos negros olhos: cor viva do tédio

Mas na boca, há lascívia e até pureza:
Tu me beijas com tanta força e ardor,
E tu me falas coisas sobre o amor...

Com as coisas do amor casto e sublime
Não há nada no mundo que assim rime...
Ah! Lindo anjo repleto de nobreza!


LAVA LASCIVA

Lava lasciva, lúgubre que lava
O fluxo desta vida tão flexível...
Ela, lépida, lânguida e inflexível
Lúbrica, lacrimal, lasciva lava!...

Lava lasciva límpida que leva
Tudo e todos, flui livre e libertina,
Desliza, escorre, desce e se releva!
Fluxuosa letal bela neblina...

Lava lasciva lívida e veloz,
Que transforma, converte este reduto
No céu mais flamejante e mais feroz!

Aos homens e mulheres impõe luto,
A tudo e todos, lança ardor interno...
Lava lasciva, fogo negro e eterno!

10 comentários:

  1. Credo Hilton! achei horrivell, impressão minha exalta o demo essa poesia!!

    ResponderExcluir
  2. Prezada Ana, a poesia gótica tem essa dimensão morbida, sombria... O interessante é que o poeta Rommel Werneck é católico. Leia a entrevista. Você pode questioná-lo sobre essas questões se quiser... Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. É um poema neobarroco, apenas isto, é construído por metáforas e conflito interno. O demônio angelical não é o dêmonio afinal, se ele fosse, cara Ana, como ele poderia dar beijos, falar sobre o amor e ter curvas belas? Trata-se de uma metáfora, pessoa amada! Este soneto foi inspirado no soneto "Anjo no nome, angélica na cara" de Gregótrio de Mattos, pois ambos tratam o mesmo tema.

    Já o segundo soneto, é uma metáfora do amor numa visão pessimista, é a lava lasciva (sensual) que destrói as pessoas por onde passa, para isto, há a aliteração, percebam os sons consonantais.

    Voltando ao Demônio Angelical, eu o expliquei em: http://www.opiagui.com.br/2009/10/demonio-angelical/

    ResponderExcluir
  4. Hilton nunca tinha lido poesia gótica, seu blogue está fazendo eu ler kkkk.

    ResponderExcluir
  5. Rommel Werneck, n quis criticar seu trabalho, é que eu nunca tinha nada assim, n tive alcance pra entender sem as explicações suas e do Hilton.

    Desculpe!

    Aaah,tb nunca conheci um poeta vivo kkkkkk

    ********

    Li o link, vc tem 21 anos?! aff idade pra ser meu filho, embora tenha apenas 36 anos.

    Reli tb a poesia, n achei mais horrível(desculpe), mas n gostei, me dá medo!

    abraço

    ResponderExcluir
  6. Prezada Ana, a crítica é sempre bem vinda, para isso existe o debate e argumentos. Em breve devo voltar ao Lumina...Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. 23 anos em outubro, na véspera do Halloween, por sinal

    Inspirado em:


    Anjo no nome, Angélica na cara,
    Isso é ser flor, e Anjo juntamente,
    Ser Angélica flor, e Anjo florente,
    Em quem, senão em vós se uniformara?

    Quem veria uma flor, que a não cortara
    De verde pé, de rama florescente?
    E quem um Anjo vira tão luzente,
    Que por seu Deus, o não idolatrara?

    Se como Anjo sois dos meus altares,
    Fôreis o meu custódio, e minha guarda
    Livrara eu de diabólicos azares.

    Mas vejo, que tão bela, e tão galharda,
    Posto que os Anjos nunca dão pesares,
    Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.

    Gregório de Mattos

    ResponderExcluir