quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

RINALDO GISSONI: POEMA

(Giotto)


FUGA PARA O EGITO

A viagem foi lenta, ao longo do deserto,
mais que uma aventura fosse um desatino,
rudes dimensões, e qual Egito incerto,
pela areia esquiva, e sob o sol a pino...

Estava Maria triste no deserto
enquanto levada para o seu destino,
não pelo simum errante, mas de certo
por faltar abrigo para o Deus-Menino.

Oásis, afinal, na extrema desventura:
sombra que alivia os cáusticos horrores,
água que mitiga a sede malsinada!...

Foi assim que um dia, a doce Criatura
espargiu consolo sobre os sofredores,
e água viva para toda a humanidade!...

7 comentários:

  1. oTImo soneto parabens pelo blog ja estou seguindo

    ResponderExcluir
  2. Lord, sem dúvia um obra prima! Ambar, esteja sempre presente no Poesia Diversa. É uma honra!

    ResponderExcluir
  3. O Terza Rima tb é muito bom. Ambar e Fernández comandam um blog bacana

    ResponderExcluir
  4. Prezada Flá, sua visita demorou! Que seja constante! Um grande abraço!

    ResponderExcluir