sexta-feira, 22 de julho de 2011

GUILHERME DE ALMEIDA: POEMAS







Nós


Mas não passou sem nuvem de tristeza
esse amor que era toda a tua vida,
em que eu tinha a existência resumida
e a viva chama de minha alma, acesa.


Nem lemos sem vislumbre de incerteza
a página do amor, lida e relida,
mas pouquíssimas vezes entendida,
sempre cheia de engano e de surpresa,


Não. Quantas vezes ocultei a minha
dor num sorriso! Quanta vez sentiste
parar, medroso, o coração de gelo!


- É que nossa alma às vezes adivinha
que perder um amor não é tão triste
como pensar que havemos de perdê-lo.




Nós


Quando as folhas caírem nos caminhos,
ao sentimentalismo do sol poente,
nós dois iremos vagarosamente,
de braços dados, como dois velhinhos,


e que dirá de nós toda essa gente,
quando passarmos mudos e juntinhos?
- "Como se amaram esses coitadinhos!
como ela vai, como ele vai contente!"


E por onde eu passar e tu passares,
hão de seguir-nos todos os olhares
e debruçar-se as flores nos barrancos...


E por nós, na tristeza do sol posto,
hão de falar as rugas do meu rosto
hão de falar os teus cabelos brancos.

3 comentários:

  1. Como são bonitos estes dois poemas: cheios de singeleza, tão simples em seus termos e imagens; mas, ao mesmo tempo, tão inquietos, tão dolorosos, tão sinceros... que inveja (rsrsrs)!

    Silvério Duque

    ResponderExcluir
  2. Tem muita gente boa esquecida, amigo...

    ResponderExcluir
  3. I relish, result in I found just what I was taking a look for.
    You have ended my four day long hunt! God Bless you
    man. Have a great day. Bye
    My web site ; transfer news soccer latest

    ResponderExcluir