quinta-feira, 23 de junho de 2011

MURILO MENDES: POEMA




(Franz Kline)





ALGO



A Maria da Saudade


O que raras vezes a forma
Revela.
O que, sem evidência, vive.
O que a violeta sonha.
O que o cristal contém
Na sua primeira infância.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário